Home | Área Cliente | 56. Como avaliar o risco de rachaduras nas paredes internas e externas, tetos e pisos?
Quinta, 24 Abr 2014

56. Como avaliar o risco de rachaduras nas paredes internas e externas, tetos e pisos?

E-mail Imprimir PDF

R Inicialmente é obrigatório esclarecer a diferença entre rachaduras, trincas e fissuras:

FISSURAS – pequenas aberturas, de até 1 milímetro, que ocorrem freqüentemente em revestimentos de argamassa ou juntas de blocos a vista. Geralmente sem conseqüências.

TRINCAS - aberturas um pouco maiores que as fissuras, de 1 a 3 mm. Poderão ou não ter conseqüências, o que exige avaliação técnica.

RACHADURAS - aberturas relativamente grandes — acima de 3 mm — normalmente, devido a problemas de acomodação ou de estrutura do prédio.Exigem providências.

Em se tratando de problema técnico, solicite vistoria da construtora.

Mais:

As variações térmicas (a temperatura de uma parede pode variar em São Paulo entre 5º C e 70º C) provocam dilatação e retração dos materiais empregados na construção.

Dado que esses materiais são heterogêneos __ concreto, aço, blocos cerâmicos, tijolos de barro, argamassa mista, argamassa de cimento, alumínio, vidros, cerâmicas, pedras e etc. __ o edifício “trabalha” heterogeneamente surgindo sempre em conseqüência fissuras e trincas.

Em alguns casos, são provocadas pela acomodação natural do edifício ao terreno.

É muito comum surgirem fissuras no encontro de alvenarias com pilares e com vigas.

Fissuras nas paredes, tetos e pisos são corriqueiras e ocorrem em todas as construções do mundo, tendo maior intensidade onde houver maior variação térmica e ,especialmente nos apartamentos de cobertura, visto o alto grau de insolação a que estão sujeitos. ISTO É INEVITÁVEL! Porém,

As fissuras não significam nem trazem nenhum problema estrutural, (por se tratar de patologia perfeitamente normal ).

Elas são tratados pela atividade de pintura .Geralmente são aplicados produtos fabricados para esse fim, tais como “mastiques” e “sela-trincas”. Contam com garantias originais de 360 dias.Após isso fazem parte dos itens sob manutenção obrigatória do condomínio.

É comum que as fissuras retornem com o tempo, visto que este local foi o ponto encontrado para a trabalhabilidade da estrutura, devendo ser repetido o procedimento.

Mais:

Em todos os pisos externos surgem fissuras. Não há nada a fazer. Se desejar, o condômino poderá executar manutenção com fins estéticos. Se a fissura ocorrer em laje impermeabilizada e estiver provocando vazamento, então dever ser reparada, se estiver na garantia ou sofrer manutenção se estiver fora da garantia.

Em pisos internos não são comuns, contudo, normalmente as fissuras são inconseqüentes.

Em Vigas e Pilares, ainda que sejam observadas apenas pequenas fissuras e de extensão mínima, convém sempre examinar o problema por engenheiro especializado.

Com relação a trincas e rachaduras, sua caracterização, extensão e providências a serem tomadas, exigem avaliação técnica para as soluções recomendáveis.

A CONSTRUTORA COMO EMPRESA DE ENGENHARIA REGISTRADA REGULARMENTE NOS ÓRGÃOS COMPETENTES, AVALIARÁ, EM CADA CASO, AS PROVIDÊNCIAS A SEREM TOMADAS.

Construtora Barroco | Rua Amorim Diniz, 106 - Penha - São Paulo - CEP 03730-040 - TEL (11) 2643 6600 | contato@construtorabarroco.com.br